MEC ameaça voltar a excluir crianças com deficiência das escolas regulares

Queremos a ampliação dos direitos dxs estudantes com deficiência à educação inclusiva. Nenhum passo atrás! - Nota conjunta dos Setoriais de Educação e Acessibilidade do PSOL Niterói

 

 Foto: Jornal da USP

 

Os sucessivos governos não asseguram as condições necessárias para garantir os direitos das pessoas com deficiência, como a defesa da inclusão com acessibilidade e permanência, mesmo este direito sendo assegurado nas Leis. A nossa luta é para avançar a partir das legislações existentes e forçar os governos a criarem condições de acessibilidade e permanência para que as pessoas com deficiência tenham possibilidades de se apropriarem da educação. 


No entanto, o MEC/Secadi apresentou uma proposta de mudança, com o retorno das escolas e classes especiais como modelo segregador. Esta proposta é debatida de forma atropelada, e não é fruto de participação democrática. Além disso, é um grande retrocesso nos direitos das pessoas com deficiência, que foram conquistados com muita luta. Nenhuma pessoa com deficiência, se tiver condições adequadas, necessita de escolas e classes especiais. 


Em Niterói, na rede Municipal, xs professorxs de apoio, em sua maioria, são contratadxs em condições precárias, tendo que atender de três a oito estudantes com as mais diferentes deficiências. Muitas salas de recursos estão fechadas. Na rede estadual xs professorxs de apoio foram terceirizados sem direitos trabalhistas. O último ataque à educação inclusiva da rede municipal é o Projeto Lei 124/2018, que pretende incorporar a Reforma trabalhista aprovada ano passado junto axs professorxs de apoio, flexibilizando o vínculo empregatício com a retirada de direitos trabalhistas e encerrando a validade e prorrogação do Concurso Público de 2016.

 

Participação e inclusão na sociedade, igualdade de oportunidades, acessibilidade e não discriminação são temas inerentes aos direitos humanos e representam aspectos do respeito e da valorização da diversidade humana. A nossa luta é para assegurar e avançar em todos os direitos, por isso vamos juntxs para nos fortalecer na luta.

 

Sobre as propostas do MEC:

 

1) A proposta apresentada pelo MEC não foi discutida democraticamente com a população, profissionais e sociedade civil organizada;


2) Altera a concepção da inclusão escolar como direito humano;


3) Anula o princípio “da educação como direito e para todos em um Sistema Educacional Inclusivo” com a possibilidade da volta da “escola especial” para as pessoas com deficiência; 


4) Restaura a educação especial – atualmente transversal a todos os níveis, etapas e modalidades do ensino comum e de caráter complementar ou suplementar – como modalidade escolar e substitutiva da educação regular;


5) Restabelece o modelo médico da deficiência, hoje superado pelo modelo social de deficiência;


6) Propõem “diferenciação curricular”, que retira dx estudante a possibilidade de participação do processo escolar global, de interação com seus pares e de desenvolvimento do máximo do seu potencial;


7) Propõem como Atendimento Educacional Especializado (AEE) como um profissional habilitado em uma única deficiência; 

8) Propõem o AEE ser viabilizado no mesmo turno da aula regular. Os professores de apoio poderão retirar xs estudantes com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento da sala comum para serem atendidos nas salas de recursos multifuncionais, ou, ainda, atuar na própria sala de aula regular como “apoio” direto do estudante.

 

Defendemos:
 

1) Discussão democrática com movimentos sociais e ativistas representantes das pessoas com deficiência, professores e sociedade civil organizada sobre qualquer mudança nas políticas; 

2) Ampliação de recursos públicos para efetivação da educação inclusiva;


3) Ampliação do número de salas de recursos multifuncionais e a oferta adequada de tecnologia assistiva, com equipamentos e materiais pedagógicos; 


4) Formação inicial e continuada dxs docentes, coordenadores e gestores que atuam na educação especial e na educação comum;


5) Cumprimento, nos termos do artigo 28, III, da Lei Brasileira de Inclusão, acesso pleno ao currículo em condições de igualdade, mediante projeto pedagógico que institucionalize o atendimento educacional especializado e os demais serviços e adequações;


6) Professor de apoio articulado ao Projeto Político Pedagógico da escola e cujas atribuições são apoiar e produzir recursos para quebrar barreiras que resultam em situações de deficiência; 


7) AEE no contraturno e composto por equipe multidisciplinar e o papel do professor do atendimento educacional especializado, de orientação da construção conjunta e colaborativa do plano do AEE - visando à superação das barreiras impeditivas da aprendizagem - e de articulação com os demais professores, famílias e profissionais da saúde;

 

As propostas do MEC/Secadi são mudanças incompatíveis com a inclusão escolar e cometem violações contra a Constituição Federal, a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e a Lei Brasileira de Inclusão. Essas mudanças podem agravar ainda mais condutas ilegais praticadas por instituições de ensino. Entre as ilegalidades estão a negação de matrícula e a cobrança de taxas adicionais em casos de estudantes com deficiência.

 

Vamos lutar contra essa retirada de direitos dxs estudantes com deficiência e suas famílias, assim como para xs profissionais da educação. É uma luta em defesa da educação pública, inclusiva e democrática!

Please reload

Destaques

Inscrições abertas para o Curso de Formação Política do PSOL Niterói

11/12/2019

1/10
Please reload

Mais notícias
Please reload

Arquivo de postagens
Please reload

PSOL | Partido Socialismo e Liberdade

Diretório Municipal de Niterói/RJ - Rua Doutor Celestino, 06 - Centro / CEP: 24020-091

Telefone: (21) 3619-5208 | e-mail: psol50niteroi@gmail.com

 

O conteúdo deste site foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.