Conheça os 25 candidatos a vereador do PSOL em Niterói

Além de Flavio Serafini e Regina Bienenstein na chapa 'Mudança de Verdade' para a prefeitura, o PSOL Niterói também contará com 25 candidatas e candidatos a vereador nas eleições de 2016. A nominata deste ano contará com mulheres e negras e negros em número superior aos 30% exigido pela legislação eleitoral. Esse time contará com diversos lutadores de movimentos sociais de todas as quatro regiões da cidade. Fazem parte de nossas fileiras trabalhadores sem teto, trabalhadores ambulantes, operários, professores, estofadores, pastores, servidores públicos, bancárias e muitos outros que constroem Niterói cotidianamente com suas próprias mãos. Confira cada um deles e clique em seus nomes para acessar seus perfis nas redes sociais!

Andréa Feder | 50.005

Educar para transformar! Nascida em Niterói, a escritora e desenhista Andréa Feder, formada em administração de empresas, é engajada nas lutas contra a violência no município. Em sua militância, Andréa amadureceu a convicção de que é preciso lutar coletivamente por uma política pública que eduque para transformar.


Andréa participou da organização de uma série de passeatas e atos de reivindicação de mudanças na segurança pública da cidade. Andréa representa um coletivo de moradores que reivindica uma remodelação do aparato de segurança, com mais efetivo e valorização dos profissionais, principalmente, por meio de treinamento permanente.


Ela acredita, no entanto, que uma solução mais definitiva para a segurança pública de Niterói terá de passar por políticas preventivas. No Parlamento, ela poderá cobrar da Prefeitura a aplicação dos recursos públicos de forma inteligente e eficaz, com ênfase nos programas sociais básicos de educação, saúde, habitação, mobilidade e segurança pública.


Andréa participa de movimentos como SOS São Francisco, Amigos de São Francisco e Niterói Contra a Violência. Também promove campanhas para o recolhimento e doação de roupas e materiais de uso pessoal, entre outros, para idosos e também para crianças e adolescentes órfãos ou abandonados. Ela decidiu ser vereadora para ajudar na construção de uma cidade mais justa e solidária.

Arlete Bancária | 50.104

Ética e competência na política! Preciso de eleitores e eleitoras que não vendam seus votos por 50 reais, uma telha, uma dentadura, um saco de cimento, tijolo ou um vaso sanitário. Preciso de eleitores e eleitoras que votem em candidaturas femininas valorosas, e não em homens por achá-los bonitos!

Preciso de eleitoras que votem em candidaturas femininas de valor, para que sejam valorizadas, empoderadas.


Preciso de eleitores e eleitoras que se preocupem com políticas públicas para mulheres, pois temos necessidades específicas e sofremos violência de todo tipo: física, psicológica, econômica ou social, ou contra nossos filhos. Preciso de eleitoras e eleitores que não sejam eternamente gratos a algum vereador que numa hora difícil quebrou algum galho, pois numa sociedade justa e democrática o cidadão não deve viver de migalhas de vereador que vive de voto cativo e só lembra de você de quatro em quatro anos.


Preciso de eleitoras e eleitores que tenham consciência de que não devem trocar seus votos por uma tranqueira qualquer, mas por uma sociedade mais justa e igualitária.

Preciso de eleitoras e eleitores éticos, honestos, conscientes e corajosos o suficiente para votar com liberdade por mudanças de verdade. Sou Arlete Bancária, uma mulher lutadora, bancária e psicóloga, sempre comprometida com as lutas por uma cidade plena de justiça social.

Ary Girota | 50.888

Morador de São Domingos, Ary Girota é funcionário da Cedae, formado em Pedagogia na UFF e faz pós-graduação na Fiocruz em Gestão de Tecnologia de Saneamento. Em função do trabalho e da militância nos movimentos sociais, Ary, que cruza toda a cidade de bicicleta, conhece Niterói como poucos. O contato cotidiano com a desigualdade social o motiva a lutar por mudanças. Há mais de 20 anos, abraça as causas dos direitos humanos, da educação 100% pública, gratuita e inclusiva, do meio ambiente e do saneamento básico.


Além de fazer parte do Coletivo Água Sim, Lucro Não!, Ary atua na luta sindical e integra o movimento dos servidores públicos estaduais. Reivindica salários melhores e em dia, além de condições adequadas para o exercício profissional a serviço da população e do interesse público.


Ary participa também do movimento por transparência na gestão pública, atuante no Conselho de Transparência de Niterói. Ary não se conforma com um modelo de cidade que não ouve os seus moradores e que nega a uma parcela da sua população os direitos mais básicos. Ele também atua em defesa do vestibular pré-comunitário e participa do Núcleo Frei Tito de Direitos Humanos do PSOL. Na Câmara Municipal, ele quer lutar por um poder público mais transparente, comprometido com os direitos humanos e com a construção de uma cidade mais justa e igualitária.

Edinho do PSOL | 50.039

Pendotiba com dignidade! Morador de Pendotiba, o assistente administrativo Edinho há mais de dez anos se organiza nas lutas por uma Niterói mais justa e igualitária, de gestão participativa e democrática, onde os moradores possam contribuir de fato nas decisões e nos rumos das políticas públicas municipais.


Edinho luta contra a especulação imobiliária e apoia os desabrigados das chuvas de 2010, milita contra a privatização da saúde e da educação, e também contra as tarifas abusivas das Barcas. Vai defender projetos e políticas públicas que previnam novas tragédias e ameaças como a da crise hídrica e de energia, dos colapsos do trânsito e do sistema de saneamento básico.


Edinho engajou-se na resistência ao modelo excludente e elitista proposto para o Plano Urbanístico Regional (PUR) de Pendotiba e nos debates públicos sobre o Plano Diretor da cidade. E vai defender na Câmara o direito da classe popular e trabalhadora à regularização fundiária.


Em Pendotiba, Edinho tem se empenhado em contribuir para a organização da comunidade para luta por melhorias como da iluminação, da acessibilidade e da mobilidade. No Largo da Batalha, participou ativamente da defesa dos direitos dos feirantes expulsos pela Prefeitura de seu espaço trabalho.


Edinho vai reforçar na bancada do PSOL a luta por uma cidade de direitos, como legítimo representante de sua região.

Francisco do Bumba | 50.999

As comunidades de Niterói não vão mais aceitar migalhas do poder público. Cada vez mais, vão se mobilizar para exigir soluções concretas para os problemas da nossa cidade. Em meio a esse movimento de moradores da periferia, surge a candidatura de Francisco do Bumba. Para a conquista de um mandato parlamentar que seja instrumento de pressão popular sobre o poder público na defesa dos direitos dessa população.


Francisco do Bumba é técnico em eletrônica e perdeu na sua casa no morro que desmoronou sob as chuvas de 2010. A dedicação na organização da luta das vítimas da tragédia rendeu-lhe o apelido. Ele se tornou porta-voz dos sobreviventes. Mora no Viçoso Jardim, preside a Associação das Vítimas do Morro do Bumba e participa do Comitê dos Desabrigados de Niterói.


Francisco lutou pelas soluções emergenciais após a tragédia, como o aluguel social, e até hoje luta pelas definitivas, como a moradia digna. Ele denuncia o modo como empreiteiras e governos ergueram obras superfaturadas e de péssima qualidade para entregar poucas moradias, com rachaduras e infiltrações. Como vereador, vai fortalecer os movimentos não só por moradia digna, mas também por saúde e educação 100% públicas, gratuitas e de qualidade. Ele quer abrir espaço no Legislativo para uma participação mais efetiva da população da Zona Norte e das favelas na construção de uma cidade justa e de direitos.



Henrique Vieira | 50.111

Henrique Vieira tem 28 anos, é professor, pastor, teólogo, historiador, cientista social e está vereador de Niterói pelo PSOL. Foi eleito em sua primeira candidatura, em 2012, com 2.878 votos. É presidente da Comissão de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade da Câmara (CMARHS) e membro titular da comissão permanente de Direitos Humanos.


Como parlamentar, defende a transparência e a participação popular e prioriza a defesa de políticas públicas que promovam a igualdade social, garantindo os direitos da população e a preservação do meio ambiente. É militante de Direitos Humanos e participa de movimentos sociais da cidade desde sua adolescência. Além disso, dá aulas para o Ensino Médio em diversas escolas de Niterói e é pastor da Igreja Batista do Caminho. Atualmente, faz parte do Núcleo Frei Tito de Direitos Humanos, Comunicação e Cultura, do PSOL.



Landinho Estofador | 50.606

Por geração de emprego! Nascido e criado em Niterói, Landinho Estofador virou uma referência na Engenhoca, onde sempre viveu, por sua luta em defesa da geração de empregos para a classe popular e trabalhadora.


Ele, que já abriu a própria casa para ensinar a sua profissão aos mais jovens, é um entusiasta da formação profissional prática como o caminho mais rápido para o acesso da juventude ao trabalho. Ele resolveu se candidatar para defender políticas de geração de empregos e renda para as classes populares e trabalhadores informais.


Landinho, militante do Núcleo Zona Norte do PSOL, vai defender no Legislativo políticas públicas que introduzam e fortaleçam a formação profissional prática nas escolas em atividades como a dele, de estofador, ou de carpinteiro, capoteiro, entre outros.


Outra frente de luta que Landinho quer abraçar como vereador é a da saúde pública, para o incremento do Programa Médico de Família e também para uma maior oferta de médicos especialistas na rede pública de saúde.


Entusiasta da bicicleta, como alternativa de circulação ambientalmente mais responsável do que automóveis, ele também vai lutar no Parlamento por medidas que promovam a criação de ciclovias em melhores condições de segurança do que as oferecidas pelas atuais ciclofaixas.

Leila Veloso | 50.444

Metalúrgica, soldadora, moradora da Ponta D’Areia, Leila Veloso sempre foi engajada nas lutas contra todas as formas de preconceito e opressão. Ela vai fortalecer na bancada do PSOL o enfrentamento na Câmara Municipal à homofobia, ao machismo, ao racismo, à intolerância religiosa e a outras ameaças de retrocesso na construção popular de uma cidade mais justa e igualitária.


Leila também vai defender no Parlamento projeto e políticas públicas em defesa da moradia digna para todas e todos. Além dessa pauta, ela vai promover medidas para apoiar as lutas pelos direitos dos trabalhadores e pela geração de emprego e renda, em especial, na busca de meios para promover a recuperação dos postos de trabalho no setor naval.Colegas do estaleiro onde Leila trabalha e companheiros do partido a incentivaram a aceitar o desafio de se candidatar vereadora, em função de sua trajetória militante.


Em um momento de graves ameaças representadas pelos setores mais conservadores da cidade, Leila vai transformar o seu mandato em um instrumento de luta dos movimentos que reivindicam a liberdade e os direitos de todos os trabalhadores e trabalhadoras, em especial, das lésbicas, gays, travestis e transsexuais. Leila quer ajudar a construir uma cidade onde as pessoas possam gozar de seus direitos e viver livres de toda forma de discriminação.



Marcão do Coco | 50.321

Verdadeiro representante do povo! Morador do Largo da Batalha, o ambulante Marcão do Coco tem dedicado sua vida à luta pelo direito ao trabalho. Tudo começou em maior de 2013, quando a Prefeitura decidiu acabar com a tradicional feira e o comércio ambulante da localidade. Marcão se tornou referência entre os seus companheiros, que resistiram à Operação Calçada Livre, mesmo diante da truculência da Guarda Municipal e da intransigência das autoridades, que se recusaram a ouvir os trabalhadores atingidos.


Foram dois anos de muita luta, inclusive com a ocupação pelos ambulantes da calçada da casa do prefeito, da Câmara Municipal e da sede da Prefeitura. Houve a conquista de um espaço para um mercado popular, mas a Marcão foi negada uma licença, sem explicações. Marcão decidiu então que era hora de ocupar novamente a Câmara, mas dessa vez eleito como vereador. Ele quer o voto e o apoio dos ambulantes e feirantes da cidade, e de todos aqueles que defendem o trabalho como um direito básico humano.


No Parlamento, Marcão do Coco se propõe a formar fileira na bancada do PSOL com o objetivo de defender leis e políticas públicas que garantam o direito ao trabalho, de fiscalizar a Prefeitura para impedir abusos em nome de uma suposta ordem urbana e de defender bandeiras da classe trabalhadora, como saúde, educação e transporte públicos, além de segurança pública como um direito de todos.